fique_dentro_EspacoMGTIUma nova etapa teve início no Espaço Cultural MGTI, que compartilha a área com o Café Roda de Ideias, ambos instalados no hall de acesso ao Espaço MGTI, sede da Assespro-MG e Fumsoft. O Espaço Cultural passa a ter curadoria do professor Abílio Abdo, da Escola Guignard/Universidade do Estado de Minas Gerais, UEMG. A partir da abertura da atual exposição, “Mostras Coletivas Itinerantes – Ateliê do Jambreiro”, o espaço receberá obras de novos artistas, que começam a despontar no cenário artístico e cultural de Belo Horizonte.

O lançamento da nova parceria, e a inauguração da primeira exposição, contou com a presença do presidente da Fumsoft, Leonardo Fares, do professor Abdo, dos 10 artistas com trabalhos expostos, e de um grande público, composto por amigos, convidados e apreciadores da arte. Leonardo Fares, ao abrir a noite disse, “uma das belas coisas da vida é a criação. Então, a importância desse espaço é trazer criadores de arte para um espaço onde já se cria tecnologia. O empreendedorismo é criação, e os artistas, quando criam suas obras estão empreendendo. O Espaço Cultural MGTI une pessoas de áreas diferentes que trabalham com criação”.

O professor Abílio Abdo, curador do Espaço Cultural, explicou que a consolidação da parceria houve a apresentação de um projeto à diretoria da MGTI, que tem como um dos objetivos criar oportunidades e divulgar a produção artística de novos valores, artistas recém-formados, ou em formação, sejam da Escola Guignard/UEMG ou os que tenham passado pelo Atelier de Artes do Jambreiro, ligado à escola e que funciona no Condomínio Ouro Velho, em Nova Lima.

Uma agenda oficial ainda não foi apresentada, mas o projeto prevê a apresentação da primeira mostra entre 14/07 e 14/08. Na sequência, uma outra exposição com alunos do curso de bacharelado em Artes Visuais da Escola Guignard, pensada inicialmente para o período de 24/08 a 24/09. Existe a possibilidade de uma terceira mostra, resultado do trabalho de um projeto de extensão da Escola, junto a uma clínica psiquiátrica, a Central Psíquica, CEPSI, no Bairro Anchieta, que se iniciaria em 28/09 indo até 28/10. Estes dois últimos eventos estão em avaliação junto a diretoria do MGTI.

A respeito do trabalho de curadoria das obras em exposição, o professor Abdo afirmou que, “o que deve impulsionar as escolhas da produção dos artistas iniciantes envolvidos é a livre expressão, ou seja, apresentar e registrar o momento do processo em que cada um se encontra”. O professor lembrou que há particularidades no trabalho de cada artista, “alguns trazem a tendência figurativa, outros encontram soluções a partir de manchas, da ênfase nas cores, das linhas e formas lineares ou ainda desenvolvem algum projeto no campo da geometrização da forma”. Abdo complementou dizendo que as manifestações nos trabalhos são inteiramente livres. Entretanto, no momento de dimensionar e selecionar os trabalhos, existe toda uma atenção para resguardar a unidade da mostra.

As exposições que devem acontecer no Espaço Cultural MGTI, vêm de um outro projeto, chamado “Mostras Coletivas Itinerantes”, idealizado em 2010 por Ângelo Andrade, ex-aluno da Guignard. A iniciativa contempla a possibilidade de que as mostras circulem também por outros espaços dedicados a arte na cidade. Espaços como os Centros Culturais da Prefeitura de Belo Horizonte, situados em regiões mais afastadas do Centro da Capital. O professor Abílio Abdo concluiu dizendo que, “a partir dessas ações, acreditamos que conseguiremos um alcance maior nas pretensões de levar arte a regiões periféricas, criando oportunidades de serem apreciadas por comunidades que, presume-se, não disponham de um trânsito livre no circuito de galerias, concentrado principalmente na região Centro-Sul da cidade”. O professor acredita que a iniciativa iniciada no Espaço MGTI se une às outras pensadas no projeto, se tornando uma oportunidade para os alunos terem seus trabalhos apreciados por um número maior de pessoas.

Os artistas da mostra

A mostra em exibição do Espaço Cultural MGTI conta com trabalhos de Amanda Muñios, Cecília Pederzoli, Edelcy Seabra, Elane Cosfer, Fabiano Moreira, Luciana Mara, Márcia Martins, Mônica Batitucci, Stelamaris Oliveira, Tânia Caçador, e um homenagem, em memória, a ex-coordenador do Ateliê do Jambreiro, Sara Ávila.