O quarto seminário da série Minas 2050 (2018) aconteceu na noite de 13 de novembro de 2018. Os dois últimos seminários da série estão marcados para os dias 22 (5a-feira) e 29 (5a-feira) de novembro, respectivamente sobre os temas de Eficiência Energética (competitividade energética em 2050), e Cenários Energéticos em 2050 (desafios e oportunidades), com recepção às 18:30 e início às 19:00 na FUMSOFT (Av. Afonso Pena 4000).

 

A abertura foi realizada por Leonardo Fares Menhem, Presidente da FUMSOFT, quando questionou o papel que queremos ter e o sonho de cada um para Minas em 2050.

 

A seguir, foram realizadas as apresentações de Wallace do Couto Boaventura, professor do Departamento de Engenharia Elétrica da UFMG, de Adilson Elpídio Daros, gerente de controle, estudos tarifários e tecnologia da BHTrans, e de Cláudio Latorre, diretor técnico da CEMIG Geração Distribuída.

 

Wallace Boaventura falou sobre diversas tecnologias de armazenamento de energia e sobre sua interação com a rede elétrica. Iniciou informando que o mundo consome anualmente o equivalente a uma milha cúbica de petróleo. Seguiu adiante explicando o panorama brasileiro de geração de energia elétrica e listando as diversas fontes de energia: petróleo, carvão, gás, hidrelétricas, termonucleares, renováveis, etc

 

Na parte central da apresentação, explicou diversas formas de armazenamento: hidrelétrico bombeado (usinas reversíveis) usado em conjunto com fontes renováveis, ar comprimido estocado em cavernas, volantes de inércia apoiados em mancais magnéticos, bunkers de

concreto e sacos de ar comprimido subaquáticos, bobinas supercondutoras e supercapacitores, armazenamento criogênico e energia solar armazenada em sal fundido. Deu destaque então para as tecnologias modernas usadas em baterias e comparou o desempenho com base nos fatores de densidade de energia, densidade de potência, tempo

de resposta e eficiência. Concluiu explicando que o fluxo bidirecional nas redes de distribuição representa grandes oportunidades para o uso de armazenamento de energia como forma de redução do problema de intermitência.

 

Na segunda parte do seminário, Adilson Elpídio Daros falou sobre planejamento da mobilidade urbana sustentável. Iniciou mostrando o panorama do transporte público em Belo Horizonte, formado por metrô, ônibus, táxi e automóveis e explicou a necessidade de uma operação integrada entre a BHTrans a Defesa Civil e a Guarda Municipal. Entrou

então na parte central da apresentação falando sobre o papel de destaque de veículos elétricos no futuro do transporte públicos. Citou então o exemplo de ônibus com estações de recarga em pontos estratégicos. Concluiu buscando mostrar a importância de um planejamento de longo prazo para que Belo Horizonte possa crescer com transporte público de qualidade.

 

Na parte final, Cláudio Latorre iniciou informando que a CEMIG possui a maior rede de distribuição de energia elétrica do Brasil, com mais de 540 mil quilômetros e 12% do mercado nacional de distribuição. Possui também 10 mil quilômetros de linhas de transmissão, respondendo por 25% do mercado de energia do Brasil. Explicou em seguida que, apesar de ser a maior concessionária integrada do Brasil com presença em 23

estados, a CEMIG ainda não tem uma planta fotovoltaica. Focou então na CEMIG-GD SA criada em 30/06/2018 para atuar na geração distribuída de energia elétrica. Falou a seguir sobre a Resolução 482/2012 ANEEL para geração distribuída e sobre o papel relevante nesse cenário de fontes renováveis como fotovoltaica, eólica e hidrelétrica.  Chamou então a atenção para a isenção de ICMS vigente em Minas para fontes de energia de até cinco megawatts. Explicou que essa isenção de impostos acabou por atrair grandes investimentos no setor, mais do que compensando a perda de arrecadação. Explicou a seguir a microgeração e a minigeração distribuídas. Concluiu ressaltando o foco da CEMIG na geração compartilhada de energia, explicando que o objetivo da CEMIG é integrar e não dominar a cadeia de valor.