destaques_fumsoft_287x123Os 40 empreendedores das 23 empresas de base tecnológica, que participam do Programa de Inovação e Empreendedorismo, organizado pela Fumsoft | MGTI, em parceria com a Universidade de Stanford, trabalham com afinco no desenvolvimento de seus projetos e já estão fazendo os ajustes necessários a partir das orientações e feedbacks dos professores Mike Lyons, Mike Lepech e Pedram Mokrian.

Para que isso seja possível, os empreendedores estão participando de webinars antes mesmo de embarcarem para o Vale do Silício. A segunda edição aconteceu no dia 11 de outubro, e contou com a apresentação das empresas CRM Educacional, GDAX e Fastdezine.

Wilson Caldeira, que é diretor da Fumsoft e vice-presidente de Comunicação e Marketing da Assespro-MG, além de coordenador do programa, explicou que “O foco nesse encontro foi a definição clara do modelo do negócio, isto é, quem paga pelo produto ou serviço e de que forma. Os conceitos apresentados, em relação ao encaixe produto-mercado e as avaliações feitas pelos professores de Stanford sobre os projetos apresentados, geraram diversos insights não só para as empresas que apresentaram seus modelos de negócio, mas para todos os participantes do programa”.

A premissa para participar desse webinar era construir o business model da empresa, com o principal objetivo de mostrar o “cash flow”, ou seja, como o dinheiro anda entre os agentes envolvidos nas transações realizadas pelo negócio, comentou o CEO da CRM Educacional, Daniel Antonucci. “O que mais me chama atenção é o estilo claro e objetivo dos professores. Eles vão direto ao ponto e explicam o que está certo e o que precisa ser ajustado, e isso nos ajuda a melhorar o nosso trabalho”, pontuou.

Como o foco do webinar era no business model, Antonucci acredita que ficou muito fácil entender onde errou, o que estava correto e o que deveria ser ajustado. Foi um exercício bem interessante poder enxergar o próprio negócio sobre esse ponto de vista.

Por mais que tenha feito toda a lição de casa, o empresário disse que não estava claro para os professores o que realmente a CRM Educacional faz. “Foi importante porque para nós, que construímos o negócio é muito óbvio, mas para quem está de fora, o óbvio sempre precisa ser dito. Essa atenção aos detalhes e ajustes no modelo são nossa atual preocupação, para que quando chegarmos à Stanford, isso esteja totalmente resolvido”, acrescentou.

O webinar foi uma excelente oportunidade de aprender como empresas de grande sucesso como a Amazon, Tesla e Uber, iniciaram suas atividades de maneira muito mais simples, quase simplória, e foram capazes de escalar seus negócios de maneira surpreendente, segundo o Diretor Executivo da GDAX, Bruno Garboci. “Ficou claro que com um modelo de negócios bem definido, uma estratégia de penetração de mercado inteligente, muito foco e grande capacidade de execução nós também podemos levar nossas empresas a outro patamar”.

Os conceitos de PMF (Product Market Fit), MVP (Minimum Viable Product) e MVS (Minimum Viable Segment) foram intensamente trabalhados durante o webinar. “Para o nosso caso em específico, gostamos muito de como os professores abordaram o MVS, mostrando dicas de como definir o mercado inicial a ser trabalhado e também como evitar erros comuns cometidos por várias empresas”, ressaltou Garboci.

A GDAX apresentou o seu modelo de “Call Center Inteligente” em que a integração de Marketing Digital, Call Center e Automação dos Processos de Vendas podem levar os clientes a atingirem uma performance até 6 vezes superior a um call center tradicional. “Com base nos feedbacks recebidos, a GDAX irá atualizar o seu modelo de negócio para garantir que cada elo da cadeia tenha sua performance/lucratividade potencializada e irá inserir elementos que deixem ainda mais claro o seu diferencial em relação a outras soluções do mercado”, explicou.

A metodologia adotada no programa oferece uma oportunidade de interagir com os professores antes que aconteçam os momentos presenciais, o que tornará a interação presencial mais produtiva, de acordo com o CEO da Fastdezine, Marcio Bunte Carvalho.

Segundo ele, foram tratados vários aspectos ligados ao processo de como uma empresa deve definir o seu produto. Foram levantados aspectos pertinentes desde a definição do produto inicial, bem como aspectos ligados à evolução do produto e da empresa. A estratégia proposta é iniciar com a definição do que poderia ser um produto mínimo ou MVP, que consiga capturar a essência da empresa e atingir um público significativamente representativo, o Minimal Viable Segment. “A evolução da empresa vai considerar a resposta do público para se definir os próximos passos. Um exemplo ilustrativo é a Amazon, que iniciou como uma livraria e passou por vários estágios até ser, hoje, um grande marketplace e, inclusive, vende infraestrutura computacional nas nuvens”, completou.

Carvalho acredita que as aulas são sempre muito interessantes e que os exemplos dados são relevantes e atualizados. ”Ficamos muito interessados em continuar o debate iniciado durante a aula. Foram levantadas questões que acredito que possam ser esclarecidas melhor e, assim, conseguir um retorno mais específico por parte dos professores. Ficou clara a capacidade dos docentes de entenderem os desafios que a Fastdezine tem pela frente e será muito interessante termos a oportunidade de evoluir nessa troca de ideias”, concluiu.

O próximo webinar será realizado no dia 25 de outubro (terça-feira). Já os encontros presencias acontecem, no Centro de Desenvolvimento Profissional de Stanford, de 31 de outubro a 04 de novembro.